sábado, 30 de agosto de 2014

"There's no point, unless you beat the best !"

 
[Brian Clough morreu há 10 anos.]

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Quando a cadeira cansa

É o filme que cansa.
Uma boa fotografia, cenários razoáveis da Nova Iorque dos anos 20 e um par de actores - Marion Cotillard e Joaquin Phoenix - que não sabem fazer mal feito, não chegam para o tornar numa história memorável. E podia até ter sido. Deviam erguer o desperdício a pecado capital. 
E não tem a ver com a duração. O "Era uma vez na América" tem quase quatro horas e nunca perde o balanço.
'A Emigrante' até começa bem, mas para o meio perde-se num conjunto de momentos já vistos e que não dão para surpreender, excepto quando se precipitam, e aí são uma desfeita. Sempre sem abandonar verdadeiramente o signo da morte lenta, assente no cliché mais velho do mundo: ela, a mulher infeliz e desgraçada a quem a vida só diz não; ele, o explorador pecaminoso que acaba em redenção.
Sobra-nos, de facto, a beleza e desempenho de Marion e uma grande cena final de Phoenix.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Um Actor que era um filme


'A Most Wanted Man', de Anton Corbijn

Foi isto que perdemos com a morte de Philip Seymour Hoffman. Porque, como aqui escrevi, este Ulisses da representação tinha o condão de explicar a verdade ao mundo.

domingo, 24 de agosto de 2014

This Charming Man


Era um regalo assistir a Paul Gasgoigne dentro de campo.
E, no entanto, só me lembro dele no Itália 90, nalguns jogos internacionais, com a Lazio, e, claro, no Europeu de 96 em Inglaterra, onde executou um dos golos mais celebrados da competição: o golo contra a Escócia.
Esta lenda dos anos 80 e 90, não tinha só uma técnica e habilidade invejaveis, normalmente ausentes do típico jogador bife. Não tinha só um talento incomum que mostrava jogo após jogo na forma com que tratava a redondinha. 
Era uma personalidade. Divertia-se até ao fim. Como quando mostrou o cartão amarelo ao árbitro que o tinha deixado cair, só para este lho exibir logo de seguida.
Para ele um jogo não era só um jogo. Era uma inspiração. Uma partida de poker, um jogo de snooker, um espectáculo de prestidigitação.
Gazza tinha um dom. E nunca saía de campo sem que tivesse tido oportunidade de provocar uma, duas, três vezes a equipa contrária. Com fintas, golos ou mostrando-lhe bem a língua ou os dentes.
Era excessivo. Gostava de festas e demasiado de álcool. 
E como acontece a muitos que vivem da vertigem, "who never knew his place". Quando perdeu a "casa", os domingos a levantar os estádios, virou-se para as outras drogas. O álcool levou-o à ruína e, ao que dizem, aos problemas mentais e com a família. Com 47 anos está irreconhecível. Um destroço.  Um sem abrigo.
Hoje é capa de jornais por ter sido encontrado na rua e, mais uma vez, levado para o hospital. Qualquer dia - e não faltará muito - a notícia será outra.
Mas em St. James Park ou em White Hart Lane ainda há quem jure que se escutam os Smiths a cantar 'This Charming Man' sempre que se fala deste fantástico número 8.



quinta-feira, 21 de agosto de 2014

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

domingo, 17 de agosto de 2014

Época 14-15: Shipping Up

Este ano, mais que nunca, temos de encarar todos os jogos do campeonato desta forma.



* Da banda sonora de "Entre Inimigos" (título original: "The Departed").

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

To Have



Lauren Bacall (1924 - 2014)

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

terça-feira, 12 de agosto de 2014

20 anos à frente doo bop dos outros


Tacuara

Foram 172. Os golos.
Mas não aguardes a recompensa de um jogo final. Aliás, já foste. 
Olha, o teu prémio é outro. Como ao Pablito. Vem da família. E da família recebe-se tudo.
Sim, Benfiquista, do empurrão e dedo em riste ao treinador na final perdida do Jamor. Do impulso vermelho de indignação que te ergueu do banco quando ele já sacudia o velho Shéu no jogo com o Tottenham. Por momentos achei que acabava ali a tua carreira.
Aí já não eras jogador. Eras metamorfose. Aí já eras adepto. O mais avançado. Pronto para defenderes um dos nossos. É sempre importante termos um de nós na equipa.
Deste bronca ? Sim, talvez. Às vezes. Mas quem não dá quando sente assim ?
Por isso é que custa ver partir a família. Nada lhe negamos. Como tu quando nos devolveste o nosso lugar: 2 golos e final europeia. E como quando tratavas o rival. De como ainda o puto lá de casa te pôde ver meter mais aqueles 3 seguidos para a Taça.
Ias triste. Deixa lá. És do Benfica.


segunda-feira, 11 de agosto de 2014

de volta ao.... Cotidiano



Chico e Caetano, os parceiros.