sábado, 31 de dezembro de 2016

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

"Os únicos Vampiros aqui.... somos nós."

Resultado de imagem para Os Vampiros bd filipe melo


"Machado.... Eles só queriam as coordenadas deste sítio para lançarem a merda do Napalm. Não percebes ? Fomos usados
Ouve-me... Leva isto à minha mulher... e tenta explicar-lhe que não andei aqui em vão."

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Blue Stone



Impossível pedir mais.
Música, filme, carro e miúda é jackpot !

sábado, 24 de dezembro de 2016

Tréguas

O Futebol. 
Autor de magia. De artes circenses. De malabarismo com os pés. Daquilo que só imaginamos em sonhos com um sorriso na caraResponsável pelo momento sagrado de pausa na pressa dos dias para dar sentido final à palavra Homem.
Que brilho especial tem este jogo, capaz de juntar rapazes de todas as idades, credos e nações, e que junta homens, de novo meninos, para correrem atrás de uma bola ?
Que atracção magnífica tem este objecto, esférico, feito de couro, ou de borracha, de papel ou trapos velhos, e que nos faz correr para trás e para a frente, para trás e para a frente, para os lados também, durante uma hora, às vezes mais, só para o tentar enfiar naquela caixinha de rede, onde deve morar ?
Que fenómeno este, o do futebol !

Em 1914, até permitiu as célebres tréguas do dia de Natal.
Duas equipas de soldados – alemães e britânicos – interromperam a refrega, pousaram as armas, saíram das trincheiras e jogaram à bola, como se a guerra tivesse sido apenas o singular pretexto para se encontrarem ali, naquele campo, àquela hora, para ver quem marcava mais golos.
Pois é aí, em Ploegsteert Wood, nos campos gelados da Bélgica, que hoje repousa uma cruz e suas parceiras as bolas, marcando o dia em que um grupo de rapazes, cansado de lutar e da miséria das balas, e arriscando uma sentença por traição, interrompia a Iª Guerra Mundial para dar uns chutos na bola. Era dia de Natal, camaradas ! 


Talvez só uma bola fosse capaz de tamanho milagre. Estão ali para não esquecermos que somos todos homens. Que é o mesmo que irmãos. Pelo menos enquanto nos lembrarmos de sair com uma bola para a rua.


Resultado de imagem para ploegsteert wood christmas truce

Hoje, no mundo inteiro e por essa Europa fora, há novas guerras em curso. Ainda esta semana, a morte voltou a sangrar. Tão perto do Natal. Não houve uma bola que interrompesse o seu caminho. E há crianças, mulheres e famílias que choram os seus e não vão ter Natal. 
Quando penso nos assassinos de inocentes, acho sempre que algures entre a sua infância e a vertigem do abismo negro para onde mergulharam (e para onde atiram os outros), lhes faltou alguém que lhes passasse uma bola. Que os chamasse. Que lhes dissesse “Há jogo no sábado. Precisamos de um gajo. Vem jogar.” 
Ou que intercedesse junto de suas mães para que o filho descesse. “Só um bocadinho. Até à hora do jantar. A malta está aqui na rua. E ele é preciso para o 5 x 5. Deixe-o vir jogar.”
  
Jogar. Porque jogar é brincar. 
  
E é por isso que devemos agradecer essa eterna e renovada possibilidade. O privilégio de nos sentirmos homens, mais do que adversários ou inimigos. Que nos faz crianças outra vez. Porque é essa busca de partilha, do momento, da celebração, de uma bola, que nos torna a todos mais humanos. E menos grotescos.
Amigos, obrigado.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

"Where do the children play ?" *



* palavras de Cat Stevens, agora Yusuf Islam.

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Aguenta-te, Mário


"Há tanta gente a torcer por Mário Soares que até assim, na estranha mistura de apreensão, esperança e amizade, ele consegue juntar pessoas que doutro modo não se juntariam. O sempre excelente Eduardo Barroso teve a generosidade de partilhar, como médico e cidadão, algumas preocupações com a saúde do tio Mário, lembrando que os 92 anos dele “são 92 anos muito vividos”.
Na rua não se fala noutra coisa. Não ouço perguntar “acha que ele se safa?” Ouço sim, vez após vez, dizer “Deus queira que se safe”. Já vimos Mário Soares sair-se bem de tantas encrencas e azares que não podemos deixar de ser optimistas. Queremos que ele recupere e possa voltar com gosto à vida. Nunca me tinha sentido parte de uma ansiedade pública pela saúde de uma pessoa. É como se Mário Soares fosse da nossa família - e não só da família humana. Mesmo quem não o conhece sente que o conhece. Deve ser por isso que se mistura tanta preocupação com tanta boa vontade.
Pode não ser lógico nem realista o que sentimos mas o facto de ser sentido merece ser registado e saudado, por ser tão raro e, apesar de causar sofrimento, por ser comovente. Não se deve inteiramente à personalidade irresistível, fascinante e marota de Mário Soares. Ouço muitas pessoas a falar numa dívida, com essa mesma palavra: devemos-lhe a nossa liberdade. É uma dívida que nunca se consegue pagar. Pagamos com a nossa consciência dela e com a nossa gratidão. É essa liberdade que eu tomo para dar conta que estamos, mais uma vez, a contar com ele."

Miguel Esteves Cardoso, in 'Público', 14/12/2016

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

domingo, 11 de dezembro de 2016

Um Mister


"Estas são as memórias que sobram de uma juventude passada no convívio com gente de grande carácter e obstinação. Gente dura. Às vezes ia para casa com a cabeça rachada ou com um olho negro. Era a vida dos pubs. Quando se armava confusão ou rebentavam lutas, era preciso restabelecer a ordem. Procurava separar os antagonistas, mas de vez em  quando acertavam-me em cheio nos queixos. Contudo, olho para trás e penso na grande vida que era. As personagens, a comédia."

sábado, 3 de dezembro de 2016