segunda-feira, 29 de novembro de 2010

domingo, 28 de novembro de 2010

Found in Translation


(t-shirt em Hong-Kong)

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Mr. Bad Blake

"Vou viver para sempre. Vou atravessar aquele rio. Vou apanhar o amanhã agora."

Há crimes.
Como mandar um grande filme para o DVD sem passar nas salas de cinema. 
A extraordinária banda-sonora e os desempenhos de Jeff Bridges e Robert Duvall exigiam melhor.

"To the Virgins, To Make Much OF TIME"

(BB)
Gather ye rosebuds while ye may,

Old time is still a-flying :
And this same flower that smiles to-day
To-morrow will be dying.

The glorious lamp of heaven, the sun,
The higher he's a-getting,
The sooner will his race be run,
And nearer he's to setting.

That age is best which is the first,
When youth and blood are warmer ;
But being spent, the worse, and worst
Times still succeed the former.

Then be not coy, but use your time,
And while ye may go marry :
For having lost but once your prime
You may for ever tarry.

                                    Robert Herrick, 1648

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Parabéns atrasados

... que El Pibe fez 50 anos.


terça-feira, 23 de novembro de 2010

para a Catarina da Rússia



Avec le temps...
Avec le temps, va, tout s'en va

On oublie le visage et l'on oublie la voix
Le coeur quand ça bat plus, c'est pas la peine d'aller
Chercher plus loin, faut laisser faire et c'est très bien.
(...)

L'autre qu'on adorait, qu'on cherchait sous la pluie
L'autre qu'on devinait au détour d'un regard
Entre les mots, entre les lignes et sous le fard
D'un serment maquillé qui s'en va faire sa nuit
Avec le temps tout s'évanouit

Avec le temps, va, tout va bien

Léo Ferré


Quando era puto havia uma figura que me intrigava sempre que visitava a casa de um tio amigo em Carnaxide. Este meu tio tinha vivido algum tempo em Paris nos anos 60 ou 70 e tinha trazido um enorme poster que estava afixado na parede grande da sala.
Sempre que lá ia a casa enfrentava este poster, de que era impossível fugir. Era o poster de uma figura estranha. Um homem de cabelo branco comprido e encaracolado, com uma grande careca que mostrava a testa toda, e vestido de preto. Tinha um olhar perturbado. Parecia louco.
Eu pasmava em frente ao poster. Quem seria aquele homem ? Que faria ele, que teria feito ele, aquele louco sempre louco, para se pôr na sala de estar do meu tio tripeiro ? Que teria feito eu ? Acho que pensava que ele estava ali para me atormentar. Talvez para me lançar a mão se fizesse merda.
Quando se é puto estranhamos as pessoas que não são iguais às conhecidas e eu nunca tinha visto um homem de cabelo branco comprido e todo careca que não fosse louco ou vagabundo. E vestido de preto só podia ir para um enterro. O olhar amargo e que agora lhe digo sofrido compunham o ser louco daquela sala de estar.
Admirava-me ainda mais o meu tio ter um poster com a figura de um velho louco na sala de estar. E que estava ali para me atormentar. Isso era certo. 
Nunca tive coragem de lhe perguntar, ou sequer aos meus pais, quem era aquele senhor da sala de estar de Carnaxide. Acho que tinha medo que a resposta confirmasse aquilo que pensava.
Depois ele desapareceu.
Só muitos anos mais tarde, quando comecei a interessar-me por música, é que voltei a saber dele. Devo tê-lo visto na televisão. E então quis saber-lhe o nome.
Na altura ouvir uma voz que cantava perda, solidão, dor de quem ama e que o dizia em francês, era diferente de tudo o que tinha na prateleira. Era estranho, outra vez. 
Mas afinal o louco era um poeta. E compunha canções.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

4º Juízo Cível, 3ª Secção

(Aguiar Armando)

Cheguei antes da hora.
No 4º Juízo Cível, 3ª secção, do Tribunal da Comarca do Porto aguardo a chamada para a audiência.
Sentado no único lugar disponível, entretenho-me a folhear um jornal que comprei numa tabacaria da Gonçalo Cristóvão antes dali.
Espero o funcionário.
Começo a pensar no dia até aqui. Como é bonita a Estação de São Bento. Como nem reparam nela os passos apressados da gente que a vê todos os dias. Lembro-me dos pormenores. De passar no túnel. Da mãe que ia com as filhas e lhes diz que ordena: 
- Vejam, olhem para o rio. Vai aparecer outra vez. Viram ?
E as miúdas sorriem. O comboio chega e há um mergulho geral para a plataforma. Eu saio, mas páro. E olho. E vejo sapatos apressados. Não olham para a Estação. Não olham à volta. Para as lajes, para os bancos, para a estrutura. Para o fumo. Não escutam. Não cheiram.
Não sei onde é que vou comer desta vez. Faço os Aliados e reparo numa porta moderna, desses locais muito "fashion" que agora há, tipo lounge, tipo cool, de vasos altos cá fora. Ok. Os empregados recebem-me com cerimónia e vestidos de preto. Trazem-me logo a lista. Digo que estou com pressa e que tem de ser rápido. Frango à braz ? Pode ser. Nunca comi. Não deve ser pior do que o bacalhau. 
A raçãozinha cabe na toca de um dente. Não protesto. É da nova cozinha. É lounge, ou lá o que é, ou lá o que eles querem que seja. Não protesto. E o café veio quente.

Lembro-me que estou no Tribunal.
Chega o funcionário. Demora um século a dizer os nomes. Gagueja. Se gagueja ! Fecha os olhos para as palavras brotarem. Fica vermelho. Praticamente roxo. Transpira. As vísceras quase que rebentam pela boca. Caso brutal. Gagueja tanto que tenho que o ajudar a acabar o que quer dizer. Aquilo não é um funcionário. É uma tortura. Coitado do tipo que o puseram a chamar pessoas e a atender telefones na secretaria. Foi castigo.
Ao meu lado, duas testemunhas convencem-se do caso que as leva ali. Duas mulheres da Ribeira que falam em voz alta e com sotaque pronunciado. Divirto-me. Também ouviram a chamada. Comentam o funcionário (depois de ele sair):
- Que gago ! Deve ser bonito na cama. Primeiro que a gente perceba o que ele quer...

domingo, 21 de novembro de 2010

Cópia Certificada

Juliette, Juliette Binoche.
Não há filme que lhe resista. E eu também não, seguramente. Desde que a conheci em "A Insustentável Leveza do Ser". Há tantos anos. Devia ter uns treze. Há mulheres assim. De feitiço. Mas que não precisam de ser apenas muito belas para cativarem. Que têm tudo o que têm no olhar ou como dizem as coisas. Como sopram uma palavra ao ouvido. Como olham para as coisas. Como pairam na vida. Conquistam.
Juliette conquista. Acreditamos nesta mulher. Ela é a verdade. De Abbas Kiarostami.

sábado, 20 de novembro de 2010

Bíblia

Todos temos vícios.
O meu é esta.

Sempre cara com'ó caraças !
Mas a cada 15 dias lá me encaminho para o quiosque do costume com o dinheiro na mão. Passe-a para cá se faz favor. Obrigado.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Tudo demasiado susceptível

Na Inglaterra, anda tudo doido.  E não é só por causa do noivado do herdeiro do trono real.

As autoridades publicitárias determinaram que este anúncio só passasse em horário nocturno por conter imagens sexualmente sugestivas.



Ao mesmo tempo o Serviço Nacional de Saúde inglês divulgou um vídeo destinado a encorajar os jovens a usar preservativo.
Só que agora são os pais a considerar o vídeo "pornográfico".



Não será a realidade bem mais pornográfica do que isto ?
Eu cá acho que a "lei seca" só dá em contrabando. E eu não gosto de contrabando. Mas faz-se.
Para a hipocrisia é que não há saco.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

P de prisões

"I hear the train a comin'
It's rollin' 'round the bend,
And I ain't seen the sunshine,
Since, I don't know when,
I'm stuck in Folsom Prison,
And time keeps draggin' on,
But that train keeps a-rollin',
On down to San Antone."
                                        Folsom Prison Blues


Em 1968, o tão perturbado quanto genial Johnny (rebelde) Cash tocou para uma plateia de presidiários. Foi em Folsom Prison, uma cadeia de alta segurança na Califórnia, não muito longe de Sacramento. Nessa noite não havia criminosos para Cash. Ele próprio um ex-presidiário, quis que fossem homens outra vez. E foram.
No ano seguinte, Cash foi a San Quentin, outra cadeia da Califórnia onde os condenados esperavam na death row.
Cash gravou os concertos e não editou nada. Todos os sons se podem escutar e não apenas a música. Portas que rangem, gradeadas. As vozes mortas daquele público miserável pedindo que toque o "Walk the Line". Quase sentimos o cheiro da cantina. Dos tabuleiros. Imaginamos. O toque para recolher. A contagem. Os guardas. As grilhetas. O passo lento da forma. As noites sempre iguais e intermináveis. E depois, uma última voz no silêncio: DEAD MAN WALKING. Nos altifalantes.
Johnny Cash voltaria mais tarde para outros concertos. Ficaram célebres. Mas longe de toda a história, houve homens. Condenados, assassinos terríveis, sanguinários, violadores, toxicómanos, psicopatas, gente capaz do pior que o homem pode, mas que nessas horas, tão breves que eram minutos, foram livres. Homens outra vez.

P de presidiária

(Lindsay Lohan)

terça-feira, 16 de novembro de 2010

"The Americans", by Robert Frank



U.S. 285, New Mexico (1955)

"That crazy feeling in America when the sun is hot on the streets and music comes out of the jukebox or from a nearby funeral, that's what Robert Frank has captured in tremendous photographs taken as he traveled on the road around pratically forty-eight states in an old used car."
Jack Kerouac, Introduction


Se me dessem a escolher entre assistir à decadência do Estado social, à pré-falência da União Europeia, à patetice pegada de tudo quanto é político quando abre a boca, ao estado maravilhado e inimputável dos Bancos e dos garotos que brincam com o nosso dinheiro no jogo do Grande Casino Europeu, à batota geral de quem só se quer governar, a um debate ruidoso e feito de areia sentado no confortável sofá da sala, ao real nada,

e ir para a estrada, para esta estrada, perseguir o vivo, respirar o asfalto quente, pisado, rodado, tratado, e parar apenas para meter gasolina numa terra esquecida, longínqua, e beber depois um café com calma, conversar, com alguém com quem pudesse partilhar um cigarro e ver o dia nascer... ficava feliz. 

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

no Coliseu de "Lisbon"




Assistir a um concerto dos Walkmen é presenciar o exorcismo de uma voz.
De como se expulsam demónios do corpo com ela.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

O "Coronel Kurtz", outra vez

«I
Porque camandro é que não se fala nisto ? Começo a pensar que o milhão e quinhentos mil homens que passaram por África não existiram nunca e lhe estou contando uma espécie de romance de mau gosto impossível de acreditar, uma história inventada com que a comovo a fim de conseguir mais depressa (um terço de paleio, um terço de álcool, um terço de ternura, sabe como é ?) que você veja nascer comigo a manhã na claridade azul pálida que fura as persianas e sobe dos lençóis, revela a curva adormecida de uma nádega, um perfil de bruços no colchão, os nossos corpos confundidos num torpor sem mistério. Há quanto tempo não consigo dormir ? Entro na noite como um vagabundo furtivo com bilhete de segunda classe numa carruagem de primeira, passageiro clandestino dos meus desânimos encolhido numa inércia que me aproxima dos defuntos e que o vodka anima de um frenesim postiço e caprichoso, e as três da manhã vêem-me chegar aos bares ainda abertos, navegando nas águas paradas de quem não espera a surpresa de nenhum milagre, a equilibrar com dificuldade na boca o peso fingido de um sorriso.
(...)

estamos em 71, no Chiúme, e a minha filha acaba de nascer. Acaba de nascer e a essa hora as senhoras do Movimento Nacional Feminino  devem estar pensando em nós sob os capacetes marcianos dos secadores dos cabeleireiros, os patriotas da União Nacional pensam em nós comprando roupa interior preta, transparente, para as secretárias, a Mocidade Portuguesa pensa em nós preparando carinhosamente heróis que nos substituam, os homens de negócios pensam em nós fabricando material de guerra a preço módico, o Governo pensa em nós atribuindo pensões de miséria às mulheres dos soldados, e nós, mal agradecidos, alvos de tanto amor, saímos do arame em que apodrecemos para morrer por perversidade de mina ou emboscada, ou deixamos negligentemente filhos sem pais a quem ensinam a apontar com o dedo o nosso retrato ao lado da televisão, em salas de estar onde tão-pouco estivemos.»

(António Lobo Antunes, "Os Cus de Judas")

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Kennedy


50 anos. É o tempo que tem esta fotografia.
Olho bem para ela. Tem 50 anos. Não é muito tempo.
Kennedy venceu as presidenciais a Richard Nixon numas tangenciais eleições fez ontem 50 anos.
No discurso da vitória Kennedy compromete-se ao povo americano. Diz que o faz por um período longo, leio num jornal espanhol.
Olho bem para a fotografia porque Kennedy podia ter-lhe sobrevivido. Mais do que os escassos três anos que lhe destinaram. 50 anos não é muito tempo.
Kennedy da vida interrompida, das contradições, dos discursos que emocionam, que levantam, que motivam, que fazem acreditar.
Kennedy da Baía dos Porcos também, mas da Berlim ocidental, da democracia, da Liberdade. Da ambição. Pisar a Lua antes do fim da década.
Da coragem, que é de todas a virtude que mais admiro num homem.
Com uma coluna que o torturava, mas que nunca deixou que se dobrasse.
Dos nervos de aço. 13 dias para uma crise dos mísseis. E Khrushchev fora de Cuba.
E olho para a fotografia para me lembrar que estes anos da política à portuguesa estão mais distantes de mim que o Homem da Lua no princípio dos anos 60. Antes até.
E não acredito em ninguém, porque não há ninguém em Portugal.
E a nossa vida é curta.
Kennedy podia ter-lhe sobrevivido e ter tido mais tempo. E o irmão Bobby também.
Mas ter tempo é ter coragem.

domingo, 7 de novembro de 2010

Mataram o Sofá Comunitário


(rasputine)

Mataram o Sofá Comunitário e só deixaram esta cadeira partida e desamparada. Vazia e desconjuntada.
E já acabaram com o "Kit Sofá" e é pena. Porque agora já não vou ver os namorados lá sentados ou antes de o serem. Porque tinha fugido ao destino que lhe era certo mas que, afinal, lhe esteve sempre condenado.
E agora já não vê o rio e a ponte e não respira.
E acabou a poesia que já não está na rua.
Pressinto que foi algum ciumento do teu romance que denunciou a tua ilegalidade e feiura às autoridades.
E vieram buscar-te a meio da noite para ninguém ver, num camião que não merece nome, para o amontoado que ninguém quer da lixeira comunitária.
Amanhece o dia.

sábado, 6 de novembro de 2010

Back to Back




Moral Risk: "It's not a matter of money. It's a game. Between people."

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

"Cat on a Hot Tin Roof" - Parte II (com Maggie, the Cat)

- He walked toward me... with a funny sort of smile on his face. Then he did the strangest thing. He kissed me. That was the first time he'd ever touched me. And then I knew what I was going to do. I'd get rid of Skipper.
I'd show Brick that their deep, true friendship was a big lie.
I'd prove it by showing... that Skipper would make love to his best friend's wife.
He didn't need any coaxing.
He was more than willing.
He even seemed to have the same idea.
- You're just trying to whitewash it.
- I'm not! I was trying to win back my husband. It didn't matter how. I would've done anything. Even that. But at the last second... I got panicky.
Supposing I lost you instead?
Supposing you'd hate me instead of Skipper?
So I ran.
- I have an announcement.

- What kind of an announcement?
- An announcement of life beginning. A child is coming... sired by Brick out of Maggie the cat. I have Brick's child in my body.
(...)
- You heard what Big Daddy said, "That girl's got life in her body."
- That's a lie!
- No. No, truth is something desperate, and Maggie's got it. Believe me, it is desperate, and she has got it.
(...)
- Thank you for keeping still. For backing me up in my lie.
- We are through with lies and liars in this house. Lock the door.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

"Cat on a Hot Tin Roof" - Parte I (com o pai)


- Yes, sir, I am an alcoholic. So, if you'll just excuse me.

- No, I won't!

- I'm waiting for that click... and I don't get it unless I'm alone!

- I'm not talking. When it's quiet!

- You'll hear plenty of that in the grave.

- Right now we're going to talk.

- This talk is like all the others. It gets nowhere and it's painful !

- Let it be painful.

- I can crawl and hop if I have to.

- If you aren't careful, you'll crawl out this family and be drinking on skid row.

- Yeah, that will come too.

- No. Now that I'm straightened out, I'm going to straighten you out. Sit down!

- It's no use. We talk in circles. We have nothing to say to each other!

- Where are you going?

- To get another bottle.

- No, you're not, you drunken whelp!

- Why are you shouting? I can't stand it!

- Get out of here! Leave us alone! Why do you drink?

- You had better know why you drink or give it up !


- Why do you drink?

- I stepped on that foot and now I'm in pain.

- Good ! At least you're not too numb... with liquor to feel pain. Why do you drink?

- Give me my crutch.

- Tell me first.

- No, give me a drink first.

- First you've got to tell me!

- All right! Disgust!

- Disgust with what?

- You strike a hard bargain.

- Boy, do you want liquor that bad?

- Yes, sir, I want liquor that bad.

- What are you disgusted with?


- Mendacity! Do you know what that is? It's lies and liars !

- Who's been lying to you? Maggie?

- No, not one lie or one person. The whole thing.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Oh Ireland, My Ireland

(Ondine, de Neil Jordan)

"The truth is not you know.
It's what you believe."

ou ainda voava uma guitarra para cima da cabeça dos Senhores





Arcade Fire gig

cancelled by NATO