quarta-feira, 28 de junho de 2017

Life Achievement

Bill Russell. O primeiro astro negro do basket. 
11 títulos de campeão da NBA em 13 anos não é para todos. 
Mas fazê-lo numa altura de segregação nos Estados Unidos da América, e utilizá-lo na luta pelos direitos cívicos dos afro-americanos, sendo capaz de manter ao longo da vida a humildade e a generosidade com os outros, isso não tem preço.
E depois, que atitude perante a vida !
«After receiving the Lifetime Achievement Award at the NBA Awards Monday night, Russell pointed individually at legendary centers Kareem Abdul-Jabbar, Alonzo Mourning, Shaquille O’Neal, David Robinson, and Dikembe Mutombo, who were on stage with him, and delivered a line that brought down the house.
“I would kick your ass,” he said.» (Boston.com)

(ver a partir do minuto 2'17'')
[ver em especial a partir do minuto 4'51'']

segunda-feira, 26 de junho de 2017

domingo, 25 de junho de 2017

"Luto Nacional", por Vasco Pulido Valente

…hopes expire of a low dishonest decade…





«A primeira obrigação do Estado é garantir a segurança física dos cidadãos. Em Pedrógão Grande o Estado Português não a cumpriu e mostrou assim a sua fraqueza e a sua essencial ilegitimidade. Na sopa de aletria da meia dúzia de agências ou subagências governamentais que intervieram no caso, ninguém se entendia sobre nada. A que horas tinha começado o fogo e porque tinha começado? Porque não se tinha fechado a tempo a chamada “estrada da morte”? Porque não se tinham evacuado as pessoas que deviam ser evacuadas? Tinha caído um avião ali, a uns quilómetros, ou não tinha caído um avião? Existia um jornalista fantasma ou não existia? O que transpirava desta confusão eram informações contraditórias das várias autoridades envolvidas, todas visivelmente preocupadas em sacudir a água do capote para o parceiro do lado. A cena foi deprimente e aterradora. E no meio do caos, para o completar, desembarcaram o primeiro-ministro e o Presidente da República, com fatos de bombeiros, que não iam lá fazer coisa alguma de útil ou louvável, excepto evidentemente exibir a sua alma, exercício que ninguém lhes pedira ou agradecia. 

Este espectáculo, pelo mortos e pelo sofrimento dos que não morreram, comoveu o país. Mas o mesmo país habitualmente assiste em paz de espírito às mais graves demonstrações da incompetência e degradação do Estado: investigações criminais que duram anos e anos (como a de Oliveira e Costa e, a seguir, a de Sócrates, a de Ricardo Salgado e as de várias dezenas de suspeitos menores); julgamentos sem fim; a maior dívida da história, que vai crescendo; políticas que se atenuam, interrompem ou simplesmente se metem na gaveta para não ofender parcelas ínfimas do eleitorado; actos egrégios de nepotismo e compadrio; a corrupção que se manifesta ou descobre em cada recanto da vida corrente e da vida pública nacional. O parlamento, depois de lamentar a infindável sequência de comissões de inquérito para prevenir incêndios, que não chegaram a parte alguma, nomeou outra comissão de inquérito; e as “personalidades” que roubaram milhões continuam a passear tranquilamente pelas ruas.

A grande pergunta é simples: porque havia de aparecer em Pedrógão Grande, por milagre flagrante do Altíssimo, um Estado previdente, eficaz e responsável? Não apareceu; e, como de costume, os mais fracos pagaram a conta. Seria bom que fizéssemos mais três dias de luto. Por nós.»


in 'Observador' (25.06.17)

quarta-feira, 21 de junho de 2017

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Heróis


(a Amélia e a velha casa de Pedrógão Pequeno felizmente a salvo)

sexta-feira, 16 de junho de 2017

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Here



I feel like history on the turntables
Old school to new school
Like nothing ever been realer
On the history of the turntables
I’m the mystery of what’s inside the speaker cables
I’m Nina Simone in the park and Harlem in the dark
I’m the musical to the project fables
I’m the words scratched out on the record label
I’m the wind when the record spins
I’m the dramatic static before the song begins
I’m the erratic energy that gets in your skin
And if you don’t let me in
I’m the shot in the air when the party ends


'The Beggining (interlude)' 
Alicia Keys

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Submissão


"- É a submissão - disse o Rediger baixinho. - A ideia espantosa e simples, jamais expressa anteriormente com essa força, de que o máximo da felicidade humana reside na submissão mais absoluta. Trata-se de uma ideia que eu hesitaria em apresentar aos meus correligionários, algo que eles talvez considerassem uma blasfémia, mas para mim há uma relação entre a absoluta submissão da mulher ao homem, tal como é descrita em História d'O, e a submissão do homem a Deus, tal como é encarada no islão. Repare - prosseguiu ele -, o islão aceita o mundo, aceita-o integralmente, aceita o mundo tal qual ele é, para usar a terminologia de Nietzsche. O ponto de vista do budismo é que o mundo é dukka, desadequação, sofrimento. O próprio cristianismo manifesta sérias reservas: Satanás não é qualificado como «príncipe deste mundo»? Pelo contrário, para o islão, a criação divina é perfeita, é uma obra-prima absoluta. O que é o Corão, no fundo, senão um poema místico de louvor ? De louvor ao Criador e de submissão às suas leis."

terça-feira, 13 de junho de 2017

No respect


Quando os Golden State foram campeões da NBA em 2015 convenceram toda a gente. Já não ganhavam o título há 40 anos e era o basket mais excitante da competição. Splash brothers e ressaltadores feitos de músculo que dominavam a painted area. Puro rock 'n' roll. Ainda não era desta que LeBron James levaria o título para Cleveland - uma cidade que nunca ganha(va) -, ele que regressara a casa só com isso nos olhos.
No ano seguinte, os Warriors teriam que revalidar o título se queriam iniciar uma dinastia. Mas LeBron tinha ficado com a dívida atravessada, e depois de um 3-1 à maior para Curry and friends, decidiu que era hora de a pagar. E em dobrões de ouro. O que se seguiu foi um live or die e o orgulho a mandar em tudo, escrevendo a maior reviravolta da história da NBA. Os Cavs finalmente campeões.
Este ano, quando se esperava que os Warriors fossem reclamar aquilo que tinham perdido, chamaram o irmão mais velho. Kevin Durant, um brutal jogador, que lança de três pontos da mesma maneira como afunda, e que assiste ou ressalta como se fosse Magic e Dennis Rodman ao mesmo tempo, achou que um anel no dedo é que era e, apesar de no ano anterior ter colocado os Golden State à beira da eliminação, resolveu deixar Westbrook sozinho com o trabalho todo pela frente e alinhar pela equipa que lhe podia garantir o êxito: os mesmíssimos Golden State.
Bem, este ano era mero protocolo.
Os Warriors ganharam, é certo, mas não varreram. LeBron, Kyrie e Love não deixaram.

terça-feira, 6 de junho de 2017

Almada interminável


Almada Negreiros no CAM da Gulbenkian (a nossa Serralves). O artista futuro, que dizia que as pessoas que mais admirava eram "as que nunca acabam". Almada nunca acaba. É interminável.

sábado, 3 de junho de 2017

O ano 50 da Revolução

Leio que o Sgt. Pepper's faz 50 anos. Já sabia. Está tudo a celebrar.
E se é feita agora uma reedição do disco com remix, novas faixas e memorabilia a saltitar, também eu recupero o que escrevi aqui há sete anos sobre o melhor álbum rock da história.
Porque é tão profunda a pegada que me calcou e tão forte a memória que dele tenho, que quando lhe pego, ou oiço, ou vejo, regresso sempre à mesma história.

*

O "Seargent Pepper's Lonely Hearts Club Band" é um marco na história da música pop do século XX. Colocado pela Rolling Stone no topo dos 500 melhores álbuns de todos os tempos.
Mas não é preciso trazer para aqui todas as razões que fazem dele uma obra-prima essencial em qualquer discografia que se preze.
É um álbum fundamental. Para mim que comecei a escutá-lo aos 10 anos, quando o descobri lá em casa no meio dos outros vinis dos meus pais.
Lembro-me que tinha 10 anos porque sempre fui um tipo dado a paixões. E lembro-me de me ter apaixonado por uma miúda chamada Rita.
A Rita andava no 1º ano como eu, mas noutra turma. E um dia, alguém me veio dizer que ela gostava de mim. Fiquei apalermado, porque eu também gostava dela.
Rapidamente, um dos meus amigos fez chegar a notícia ao outro lado e marcou-se um encontro. Na altura não percebi muito bem porque é que tinha que ser assim, mas, ao que parece, íamos conhecer-nos. No recreio, à hora marcada, apareci eu e ela. Uma amiga dela e um amigo meu. Pareciam padrinhos. Ridículo.
Ficámos a olhar um para o outro, com cara de parvos, tenho a certeza, e os nossos amigos a quererem que nos beijássemos ali, à frente deles. Era um espectáculo. Apresentaram-nos e ficaram à espera. 
Não mexi um músculo. Nem sei se disse mais do que o meu nome. Talvez um olá. Tocou a campainha para as aulas e pisguei-me. 
Mas dali para a frente, sempre que a via, dava-lhe um toque na saia, ou na mão, ou soprava-lhe qualquer coisa por cima do ombro. Até que um dia, vendo-a sozinha a passar com os cadernos debaixo do braço, chamei-a para trás dos pavilhões e, sem lhe dizer mais nada, dei-lhe um beijo. Estava apaixonado.
Agora é que entra o "Sgt. Pepper's". Sempre que pensava nela, ia pôr o disco a tocar. No lado B, faixa 3: Lovely Rita
Não sei o que aconteceu à Rita, mas quando deixei de pensar nela, continuei a estudar o melhor álbum rock de sempre. Até descobrir a última faixa do disco. Uma canção dividida em duas partes e composta com dois bocados, um do John Lennon e outro do Paul McCartney.
Just "A Day in the Life".